"GLORINHA": TÍTULOS (OU AUSÊNCIA DE TÍTULOS) E LONGEVIDADE

Em 90 anos de história, poucos títulos colecionados pelo RIO PRETO EC são merecedores de nota. Precisamente 6, incluindo dois vice-campeonatos:

> 1963 - Campeão Paulista da 3ª divisão (acesso à 2ª divisão);

> 1964 - Campeão Paulista da 2ª divisão (série "José Ermínio de Moraes");
> 1973 - Campeão do Torneio de Seleção (acesso ao "Paulistinha": fase "preliminar" da 1ª Divisão de 1974);
> 1994 - Vice-Campeão Paulista da série A3 (acesso à série A2);
> 1999 - Campeão Paulista da série A3 (acesso à série A2);
> 2007 - Vice-Campeão Paulista da série A2 (acesso à série A1).

Existem muitas explicações para isso. Desde os esforços na construção de dois estádios, até as dívidas trabalhistas com o INSS e o FGTS, nos anos 80, que levaram o "Rio Pretão" à leilão - na tentativa de tirar o estádio do prego, teve até show dos "Menudos"...

Considerando todas as justificativas possíveis, ainda assim salta aos olhos a carência - para não dizer ausência - de títulos expressivos do Glorioso. Nesse quesito, por exemplo, o rival
América FC - fundado em 1946 - leva enorme vantagem quando se compara o histórico de cada clube.

A questão, portanto, está em saber como o RIO PRETO EC conseguiu sobreviver mesmo com a carência de títulos, dívidas trabalhistas e a "concorrência" do América. Principalmente porque alguns clubes de cidades próximas não tiveram a mesma sorte, como os extintos Grêmio Esportivo Catanduvense, Associação Atlética Votuporanguense, Grêmio Esportivo Novorizontino...

O fato é que sua sina, seu insistente encontro com a derrota, parece conter em si o segredo de tamanha longevidade e persistência.

A derrota fez com que o RIO PRETO EC perdesse sua arrogância elitista dos anos 20/30, ou mesmo a megalomania dos doutores da década de 1960. A carência de títulos, a morte dos coronéis, obrigou a elite rio-pretense migrar de estádio e assumir novas cores - e com ela, outros tantos populares também mudaram de arquibancada.

O RIO PRETO EC era um time de 1ª, virou de 2ª. Era um time de coronéis, da elite, virou popular. Era "Glorioso", virou "Glorinha"...

Talvez menos "Glorioso" que no passado, sem dúvida, hoje o "Glorinha" é sinônimo de paixão. Uma paixão sincera, não atenta apenas às vitórias, mais interessada em ver o RIO PRETO EC em campo. E torcer - sem precisar lotar o "Rio Pretão"...

Força "Glorinha"!


Com informações da Wikipédia, GE.net e Federação Paulista de Futebol.

2 comentários:

havaifc disse...

Poxa vida o meu FFC não acabou não
Aos trancos e barrancos o time segue na luta

clayton romano disse...

Caro "havaifc",
Vi somente agora seu comentário e, graças a ele, o texto já foi retificado.
Valeu pelo toque; é verdade, a Águia sobrevoa os gramados paulistas. Ainda bem.
Saudações Gloriosas,
Clayton Romano
Historiador e Editor F"G"!